A palestra será ministrada pelo professor Paulo Artaxo, da USP, no Ciclo de Seminários do DCAC/PPGCC, dia 25 de setembro (sexta-feira), às 15h, e poderá ser assistida no canal do CCET no YouTube.

A Amazônia é chave na questão das mudanças climáticas por uma série de razões. Desde a quantidade de carbono armazenada no ecossistema, à sua importância no ciclo hidrológico e até nos impactos das queimadas no clima regional, o ecossistema influencia uma série de processos atmosféricos importantes. A alta taxa de desmatamento e o aumento de incidência de queimadas mostram que o ecossistema está em pleno processo de mudanças, com impactos sócio-econômicos importantes. Discutiremos neste seminário o complexo relacionamento entre a Amazônia e o clima regional e global.

Prof. Paulo Artaxo realizou sua graduação em Física pela Universidade São Paulo (1977), mestrado em Física Nuclear pela USP (1980) e é doutor em Física Atmosférica pela USP (1985). Trabalhou na NASA (Estados Unidos), Universidades de Antuérpia (Bélgica), Lund (Suécia) e Harvard (Estados Unidos). Atualmente é professor titular do Departamento de Física Aplicada do Instituto de Física da USP. Trabalha com física aplicada a problemas ambientais, atuando principalmente nas questões de mudanças climáticas globais, meio ambiente na Amazônia, física de aerossóis atmosféricos, poluição do ar urbana e outros temas. É membro titular da Academia Brasileira de Ciências (ABC), da World Academy of Sciences (TWAS) e vice presidente da Academia de Ciências do Estado de São Paulo (ACIESP). Publicou mais de 480 trabalhos científicos e apresentou 1020 papers em conferências científicas internacionais. Tem mais de 24.300 citações de seus trabalhos no ISI Web of Science com índice H de 83, e publicou 26 trabalhos nas revistas dos grupos Science e Nature. Tem mais de 49.849 citações no Google Scholar, com índice H no Google Scholar de 106. Coordenou dois Institutos do Milênio do CNPq, é membro do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas) e de 7 outros painéis científicos internacionais. É coordenador do Programa FAPESP de Mudanças Climáticas Globais, e membro do INCT Mudanças Climáticas. É representante da comunidade científica no CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente). Em 2004 recebeu um voto de aplauso do Senado Brasileiro pelo trabalho científico em meio ambiente na Amazônia. Em 2006 foi eleito fellow da American Association for the Advancement of Sciences. É membro da equipe do IPCC que foi agraciada com o Prêmio Nobel da Paz de 2007. Em 2007 recebeu o prêmio de Ciências da Terra da TWAS e o Prêmio Dorothy Stang de Ciências e Humanidades de 2007. Em 2009 foi agraciado com o título de Doutor em Filosofia Honoris Causa pela Universidade de Estocolmo, Suécia. Em 2010 recebeu o prêmio Fissan-Pui-TSI da International Aerosol Research Associations. Também recebeu em 2010 a Ordem do Mérito Científico Nacional, na qualidade de comendador, em em 2018 na qualidade de Grão Cruz. Em 2016 recebeu o Prêmio Almirante Álvaro Alberto outorgado pelo CNPq, Marinha, MCTI e Fundação Conrad Wessel. É Pesquisador Emérito do CNPq. Em 2017 recebeu o Prêmio Globo Faz a Diferença. Recebeu o prêmio de Most Cited Researcher da Clarivate Analytics em 2014, 2015, 2018 e 2019.